sexta-feira, 19 de setembro de 2008

DEPOIMENTO DE ATORES


Elianne Carpes
Atriz e preparadora dos atores do filme “Da Janela”

Insight após ensaio

Um roteiro.
Uma mulher apenas observa.
Um homem observa outra mulher e a agride.
Uma mulher é observada - e agredida.
Outro homem se nega a observar sua mulher e a agride.
Uma mulher é agredida pelo seu homem.

Uma reflexão.
Para além do jogo de palavras, a tentativa de encontrar o fio
condutor que liga histórias paralelas, recorrentes, intrigantes,
nos move.

Uma prática.
Atores a postos, vamos do lúdico ao visceral,
ora assumindo fantasias, levantando escudos;
ora derrubando ficções, pudores.

Um desejo.
Que pela 'Janela' lembremos da leveza e da força como
átomos de vida.
E jamais nos esqueçamos da serenidade como estrada.

Evoé!




Luiz Cláudio Leite
Ator


Esse trabalho está me fazendo refletir sobre os diversos tipos de relacionamentos existentes. Fico pensando como um homem pode agredir uma mulher a quem um dia disse que amava, desejava, e de uma hora para outra como se nada tivesse acontecido o desejo se transforma em agressão.
Ou seria isso a realização de um desejo? Sobrepujar o "oponente"...
Seria medo da força e independência da mulher?
Por que esse sentimento de posse?
Porque que a mulher não pensa e age como o carrasco quer?
Será que ela não tem direito a vontade própria?
Quando mais busco o sentimento de ódio, para fazer esse trabalho de forma orgânica, mais percebo a fragilidade física da mulher perante um homem. Mesmo emocionalmente pois algumas estão presas a elos que nem elas mesmas entendem.
Como disse Quintana "Cada um pensa como pode"...
Esta doença está presente em nossa sociedade de uma forma tão banalizada que não nos importamos. Mesmo para aqueles que se importam, pois não podemos generalizar, esses acabam não tendo força para dar um basta em toda esta doença existente na nossa sociedade.

Um comentário:

Louie Louie disse...

O desejo se forma em agressão quando o homem percebe que por mais bela que seja a dama, ela é humana, tem deifeito, e a vida cotidiana mostra e tatura isso. O homem odeia o fato de sua mulher tão amada ser uma qualquer como outras tantas. Não só o homem.
Essa fome de posse do homem sobre a mulher pode ser atribuída à sua instintiva dúvida da paternidade. A fêmea tem certeza de que o filhote é seu, o mesmo não acontece com o macho. Essa dúvida masculina se mostra na forma de ciúmes, e como a mulher possui o poder máximo - a certeza - contra o homem, ele usa o que do único poder que tem - a força física -, posi nos jogos psicológicos, com certeza, a fêmea ganharia.